o profeta MV Bill e os engravatados.



Acabei de assistir uma palestra e na sequência uma mesa de debates promovida pela faculdade onde estudo que ao meu ver valeu por todo um semestre de estudos, isso porque muitas vezes o que os discursos ou as produções acadêmicas na maioria das vezes não é algo existêncial, mas algo fruto de estudos e pesquisas muitas vezes maqueadas e ideológicas que escondem uma dura realidade vivenciada por muitos mas que as nossas autoridades através da mídia com sua imensa força de influência insiste em dizer que tudo vai bem, à cada dia melhor, mas quando nos deparamos com a realidade nua e crua pecebemos que tudo isso não passa de fábulas diante daquilo que muitos tem sofrido, um problema social que vem de muitos anos atrás, juntamente com a nossa história com o fim da escravidão e os escravos ficando sem rumo onde houve uma divisão entre aqueles que são ricos e os pobres.

No pouquíssimo tempo que teve para expor um pouco de sua história MV Bill falou sem médias acerca da realidade que presenciou nas favelas.

Ora, diferentemente de muitos que não tem a mesma oportunidade pois morrem muito cedo ou são obrigados à trabalhar em trabalhos desumanos ou com o tráfico a fim de sobreviver ele começou à ler e a desenvolver uma indignação ao perceber o quanto o sistema em que vivemos é perverso e que a busca por capital é o que importa nesse sistema excludente no qual estamos inseridos, nascido na "Cidade de Deus" desde criança pôde presenciar e viver sentindo na pele toda a dificuldade de uma pessoa em tais condições até conhecer o Hip Hop que segundo ele era um irmão mais velho, onde através das letras podia dialogar sobre assuntos que muitas vezes nem mesmo em casa tinha oportunidade de conversar, assim, através da música percebeu que poderia trazer uma reflexão, uma discussão e poderia mudar algo na realidade em que vivemos, ao ser indagado sobre qual o motivo de não desistir ele disse que isso era algo que ele não sabia responder, mas percebemos o seu compromisso em com o próximo.

À alguns anos começou à desenvolver documentários nas favelas, primeiramente na Cidade de Deus onde muitos ja haviam estado a fim de desenvolver teses, filmes e outros, mas sempre traziam a realidade escondida, então juntamente com a comunidade resolveu mostrar toda a realidade, nesse momento foi muito criticado pela mídia e acusado de fazer apologia ao tráfico, mas ele não desistiu e prosseguiu firme com o seu propósito e mostrou o vídeo para toda a comunidade e disse que se eles não quisessem que fosse mostrado que dissessem, porém ninguém se manifestou, então o trabalho continuou e através da mesma mídia que o condenava disse que poderia morrer ou ser preso que mesmo assim não desistiria.

Dentre 150 jovens foram escolhidos 17 a fim de prosseguirem os documentários, esses teriam mais facilidade de comunicação, dos 17, 16 morreram e um está preso e é este um que dá forças para a continuidade dos projetos pois este ainda luta pelo que almeja, alcançar o sonho de ser palhaço, juntamente com a CUFA (Central Única das Favelas) tem ajudado à muitos jovens nesse sentido.

Na verdade "os engravatados" se incomodam muito com isso, aqueles capitalistas que desejam manter as coisas como estão ou em atitudes perversas piorarem ainda mais não querem que esses movimentos sejam espalhados pois criar uma sociedade consciênte é algo perigoso, daí o interesse em manter as "vaquinhas de presépio" como estão, não é a toa que os discursos da maioria dos economistas pregam a redução dos recursos destinados à educação.

Antes de ser iniciada a mesa foi passado um clipe da música "soldado morto" que é uma letra extraordinária que traz muitas realidades, depois a mesa foi composta por Bill, um mestre e doutor da vida, que sente de perto tudo aquilo que fala e outros engravatados, entre eles o Deputado Custódio Mattos ex prefeito de Juiz de Fora e outros nomes como um ex ministro da educação e outros com um currículo de doutores e mestres enorme.

Ora o tema central de todos os componenetes era estar falando sobre a pobreza e o que MV Bill dizia sobre estas coisas, mas algo me chamou a atenção, foi quando o referido deputado falou e levou uma enorme vaia da plateia de mais de 1000 pessoas, é bom lembrar que ele é o mesmo que um dia votou à favor do fim da C.L.T. e à favor da burguesia, portanto existe uma rejeição por parte das "mentes pensantes" que não fazem parte da grande massa manipulada que elege políticos dessa natureza, ele disse que não sabia o que fazer e que não tinha a solução, e que não sabia como o sistema havia se instalado, enfim, é o verdadeiro "tirar o corpo fora", mas ainda bem que existem aqueles que arregaçam as mangas e vão à luta, que ultrapassam os limites das meras produções acadêmicas a fim de buscar uma realidade diferente para as pessoas, um mundo melhor para todos.

O tema do congresso é Educação direito e cidadania e Bill acredita que através da educação isso pode ser mudado pois hoje a educação é um artigo de luxo para poucos e muitos não tem oportunidades, assim, ao invés de se invadir as favelas com soldados armados, que invadam com os professores, com os médicos, etc... com todos aqueles que trazem o bem e uma boa cultura para as comunidades.

Através desse trabalho ele conseguiu chamar a atenção de diversas autoridades para a realidade das favelas e atrair diversos benefícios para as populações locais.

É um verdadeiro profeta do povo e que tem uma busca ainda que seja difícil.

Isso será uma luta constante contra toda a desigualdade que nos assola e que achamos tudo muito bonitinho quando as informações que atendem os interesses capitalistas apenas chegam até nós, mas se pensarmos somos ratos, cobaias.

Não é difícil perceber o porque de ser reprimido todo e qualquer discurso socialista em uma sociedade capitalista, nas culturas ainda socialistas como Cuba temos uma certa igualdade onde só se distingue o Estado, porém temos um nivelamento muito grande, uma educação de qualidade para todos, alimentos, casas para morar, menos homicídios, tiroteios e conflitos sociais de todos os gêneros, quem insiste em não enxergar estas coisas são aqueles capitalistas nada humanistas e que olham apenas para o seu próprio humbigo, ou a grande massa manipulada tomada pelas fábulas que nos rodeiam.

Nunca deixe de tornar os seus pensamentos em ações, ainda que seja algo pequeno pois como disse a Madre Teresa "Sei que o que eu faço é uma gota no oceano, mas sem ela o oceano seria ainda menor."

Grande Beijo

Luciano Costa