E o resgate dos sequestrados pelo Estado?

Como todo acontecimento com repercussão mundial, essa semana os meios de comunicação não falaram de outra coisa a não ser o suposto resgate da prisioneira Ingrid Bitencourt.

Fala-se acerca de um resgate cinematográfico que parece até mesmo um filme de super-herois.

Já surgem rumores de uma nova versão para o caso, o de que teriam paga 20 milhões pelo resgate dos refens, o que eu não acho difícil de acontecer ja que EUA, devido aos mercenários Norte Americanos que estavam sequestrados e países Europeus estavam envolvidos em negociações com as FARC.

Outra hipótese, respaldada em artigos da imprensa e declarações da própria Ingrid, afirmam que o grupo insurgente estava realizando uma entrega unilateral de reféns que foi interceptada pelo governo da Colômbia, como fizeram a meses atrás, quando capturaram os portadores de provas de vida de reféns que seriam entregues à Venezuela.

Ora, prefiro aguardar o pronunciamento oficial da outra parte, as FARC do que confiar nas reportagens veiculadas pela grande mídia capitalista que não da sequer uma chance de pronunciamento ao outro lado.. o da esquerda.

O fato é que muitos que assistem a tudo chegam até a chorar.. uma sequestrada que aparece em uma gravação quase morta e depois é solta dai um tempo boa de saúde, se recupera rápido como o Wolverine ou é uma ótima atriz.

A libertação seria um bom negócio para as FARC, além de render um bom dinheiro, pois precisam de financiamento, Ingrid também pode ser eleita presidente e levar a uma nova fase o ideal de soberania colombiano.

Bem, deixando de lado as especulações e as discussões acadêmicas...

O mundo se solidarizou com Ingrid encontrando com os filhos depois de anos de cativeiro.

É bom lembrar que todos são prisioneiros de guerra, assim como em qualquer guerra, sendo assim, ou são políticos, ou são militares, ou pessoas ligadas. Nunca as FARC irão sequestrar o médico, o lixeiro, o dentista, o professor (graças a Deus), etc...

Mas será que nos solidarizamos com os bilhões de sequestrados pelo Estado a nível mundial?

Ora, são bilhões de excluídos até mesmo dos direitos mínimos de cidadania, enquanto uma pequena nata goza de sua riqueza material.

Muitos que vivem nos lixões, nas favelas, nos viadutos, e outros lugares piores para ampliar essa política suja de "mal estar social" e abrir espaço para a multiplicação do capital neoliberalista.

Muitos são desprovidos de atendimento básico em hospitais (Se quiser conhecer o inferno va a um hospital de pronto socorro qualquer), de moradia, alimentação, educação de qualidade, etc..

E aqueles que vivem presos nas favelas e nem podem sair de lá para arrumar um emprego que logo são taxados de marginais, com dificuldades até mesmo de sair da criminalidade.

E aqueles que perderam seus pais baleados.

E aqueles que vivem em condições sub humanas em presídios, muitas vezes presos simplesmente por tentar alimentar os filhos em um contexto de desemprego e grandes necessidades. Ontem vi no fantástico um senhor de 78 anos preso porque alguns gados de sua propriedade estavam pastando em local proibido, o pior, no meio de diversos elementos de alta periculosidade. Imaginem quantos brasileiros não vivem nessa situação.

E os aposentados que fazem milagre ao viver com um salário mínimo por mês para comprar comida, roupa, medicamentos, contas de casa, telefone, gás, etc...

Quem vai nos resgatar disso tudo?

E ainda me perguntam porque eu apóio os grupos de resistência a esse sistema.

Ainda existe uma esperança, ela não é a última que morre, aliás, não pode morrer.

De um sequestrado pelo Estado-violência,

Luciano Costa