Imagem é tudo. Mas nem tudo é imagem!


Essa semana fomos visitar um famoso condomínio de casas aqui mesmo em JF.

Não queriamos comprar mas apenas conhecer, atraidos por propagandas e por relatos nada favoráveis de alguns amigos que lá estiveram.

Ao chegarmos ao local, a cena era perfeita, vários automóveis e pessoas aparentemente interessadas no negócio.

Porém, ao nos aproximarmos mais um pouco, percebemos toda a montagem.

Todas as pessoas que estavam no local, nem se entrasse 1/2 pessoa em cada automóvel, seria suficiente para o número de carros estacionados.

Ao ser apresentado para a corretora, como sempre faço, fiquei a observar o ambiente, e logo percebi que ali haviam vários figurantes, pessoas maquiadas e chiques, acomodadas nas mesas, porém, sem nada dizer e sem nada tratar.

Ora, esses eram os supostos compradores, todos figurantes.

Ao visitar um modelo do imóvel, algo extremamente minúsculo e com características não muito agradáveis, outra vez a imagem vira lei.

O imóvel aparentemente horrível, consegue seduzir várias pessoas através de uma decoração impecável e de vários espelhos gigantes pelos cômodos, passando uma impressão de grandeza e de beleza, maquiando a verdadeira essência que muitos não conseguiam enxergar.

Essas coisas que pude presenciar, já não me impressiona, visto que a vida no mundo atual consiste no culto ao dinheiro, a aparência e coisas afins.

Nesses dias, o importante para a humanidade não é a essência das coisas, mas a imagem, a aparência e tudo que traz um certo status social.

Diante disso, muitos insistem em viver de acordo com as "falsas verdades" e com tudo aquilo que lhes façam parecer lindos e importantes diante da sociedade.

Infelizmente, vivemos em um tempo em que as coisas não se apresentam para nós assim como são em sua essência, assim, um olhar investigativo é fundamental.

Muitos exprimem seus próprios valores, sua própria maneira de viver em prol das etiquetas, o que vem acarretar um auto-extermínio de identidade muito grande.

As coisas boas e simples da vida já não tem valor, já que deram lugar a todas as engenhocas e parafernalhas, valores sociais na sociedade moderna.

Mas onde eu quero chegar com tudo isso?

Ora, quero dizer que o ser humano vive se corrompendo e perdendo sua identidade em prol da boa imagem, da aparência e dos valores sociais de determinados grupos, assim, ser uma árvore frutífera que traz alimentos e o bem como valores sociais é menos importante hoje do que ser uma árvore florida e colorida e sem frutos, apenas uma boa imagem.

Quero dizer também, que toda a simplicidade da vida, em todos os aspectos da existência, foram tomados por esse ciclo de falsas verdades ou mentiras, assim, essa potestade que tem um pai, vem corromper todo o amor e o sentimento das pessoas, que passam a tratar os seus semelhantes como coisas, como estatísticas, invertendo totalmente os valores úteis para a humanidade e consequentemente para o bem.

Quero dizer, além do que eu ja disse, que toda simplicidade da vida e do evangelho, que é simplesmente poder para a salvação de todo aquele que crê, vivido intensamente pelos primeiros "do Caminho", veio dar lugar nos dias atuais a imagem, seguindo a lógica da humanidade. O evangelho simples do Cristo nascido na mangedoura era muito cafona e simples, daí a necessidade da sociedade criar o "cristianismo", algo poderoso e dominador, com belas imagens e grandes templos que cultuam o dinheiro e o poder através de objetos.

Quando digo que imagem é tudo (para a sociedade), e que nem tudo é imagem, conforme o título desse texto, é a mais pura realidade, entendendo que todas as coisas nos dias atuais possuem um valor ideológico, devemos sempre investigar e descobrir o que estamos cultuando na realidade.

A fé na cruz e no evangelho vem dar lugar ao materialismo histórico tão comentado por Marx.

Diante da história da humanidade, é fácil perceber porque a porta é estreita. A fé se tornou simples e cafona, assim como, o evangelho da Graça, ambos não atendem os reclames da sociedade capitalista e num mundo amplamente antropocêntrico, os valores espirituais ja não fazem sentido, assim, o caminho largo é a preferência (muitas vezes induzida pelos farizeus), de muitos.

"Felizes aqueles que não viram e creram" - Estas foram algumas palavras do Cristo ressurreto a Tomé após o mesmo tocar as suas chagas e perceber que tudo o que Cristo ja havia anunciado antes da cruz era realidade, conforme muitos ja criam.

O caminho que a religião faz nos dias atuais, infelizmente, é como o caminho daqueles que iam para Emaús antes de Cristo se apresentar no gesto de partir o pão. Ha uma ideologia e valores humanos muito fortes que impedem a visão.

Mais de 2 mil anos se passaram e as pessoas ainda esperam um rei poderoso que vai massacrar os inimigos, hoje mais do que nunca, como os heróis do cinema.

A Vida não é imagem e nasce no coração pela fé.

Grande beijo de vida,

Luciano Costa